senha

A Proposta Formativa do VIDES

em 21/04/2015 | 00h00min

A Proposta Formativa do VIDES

O VIDES, associação internacional de voluntariado, dá grande importância às propostas formativas referentes aos jovens, na convicção de que através do voluntariado  um jovem ou uma jovem pode conhecer as próprias capacidades e entender o que quer fazer da sua existência.

O voluntariado é uma experiência a pessoa tem a possibilidade de experimentar a gratuidade e a solidariedade. Um princípio sobre o qual o VIDES baseia suas propostas é a de que todos tem a capacidade de fazer o voluntariado porque a única coisa que se exige é de doar um pouco do próprio tempo.

O que é essencial é a qualidade da experiência que deve ajudar o/a jovem a descobrir em si mesmo/a de que é capaz, que capacidade tem de trabalhar com e para os outros, quais as motivações que o levam para esta ação e o sustentam, o que significa trabalhar num ambiente que não é o próprio; o que significa na concretude da experiência ser “um bom cristão e um honesto cidadão”.

1-A NATUREZA EDUCATIVA DO VIDES SE EXPLICA: 

Quer em relação à ação para os outros (crianças, jovens que vivem marcados por todo tipo de pobreza )

Quer em relação a quem desenvolve esta ação (voluntários). A experiência do voluntariado forma pessoas capazes de decisões livres, ajuda no amadurecimento das relações interpessoais, possibilita adquirir senso crítico e atitude propositiva frente à realidade social.  

Isto explica também porque a FORMAÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS É UMA ESCOLHA PRIORITÁRIA DO VIDES.

2-PONTOS ESSENCIAIS PARA A FORMAÇÃO.

Tendo presente que a identidade de um voluntário é colocada sobre um plano operativo (realização de uma atividade), o ponto de referência fica a experiência de serviço que está realizando ou que se prepara para realizar. No entanto,  é fundamental evitar dois extremos:

Identificar a formação com conteúdos teóricos (informação),

Limitar tudo a ”fazer fazer” (=ativismo), jogando os jovens em atividade que podem gratificar no momento mas que podem também fazer-lhes experimentar  o cansaço .

Daí a proposta de experiências concretas que unam a ação direta 

à possibilidade da reflexão sobre o que se está fazendo,

à projeção (em grupo) sobre como se deve intervir,

à informação sobre aqueles conteúdos que parecem necessários à ação,

à avaliação que tem presentes a autoavaliação dos voluntários e a avaliação da ação de ‘terceiros’. 

As propostas formativas VIDES procuram respeitar dois CRITÉRIOS:

A GRADUALIDADE (que considera a idade e as motivações de cada um)

A CONTINUIDADE (que quer garantir a maturação progressiva de um ‘estilo de vida’ )

As propostas formativas VIDES se diversificam em:

Atividades de serviço sócio-educativo no nível local nos ambientes salesianos ou não,

Experiências de voluntariado Internacional de breve duração numa missão

Serviço voluntário Europeu(conforme as orientações fornecidas pela União Europeia)

Serviço voluntário Internacional ( pelos menos de um ano)

Sustentação a distância de projetos atendendo a crianças em dificuldade

Ações de educação ao desenvolvimento através do comércio justo e solidário, campanhas de solidariedade e de sensibilização dos problemas que vivem alguns países.

3-AS LÓGICAS DOS ITINERÁRIOS FORMATIVOS

A formação para realizar estas propostas contempla  jovens de idade entre 17 e 35 anos. 

Querer viver uma experiência de solidariedade e a determinação para assumir um empenho sério e constante são as condições fundamentais para iniciar um caminho de formação dentro da Associação.

Os itinerários formativos unem teoria e prática, privilegiam o grupo, acompanhamento pessoal  e dão a possibilidade , em algumas situações, de inserir-se na vida de comunidade das Filhas de Maria Auxiliadora para partilhar a missão educativa.

Encontros locais, nacionais e internacionais, troca de  experiências, encontros com outras associações de voluntariado constituem oportunidades formativas que o VIDES coloca à disposição dos seus membros. Particularmente significativos são os CAMPOS DE FORMAÇÃO PARA O VOLUNTARIADO porque são realizados em lugares marcados pela marginalidade e  degradação social. O envolvimento da comunidade local, a auto-gestão dos aspectos organizativos da experiência, o aprofundamento dos conteúdos relativos à animação socio-cultural constituem características constantes da proposta metodológica.

Um critério geral é que a formação para o voluntariado social é uma responsabilidade dos grupos locais. Para o voluntariado internacional a formação se realiza em colaboração com a sede internacional  também através dos campos de voluntariado.

Os objetivos que se querem alcançar através dos itinerários de formação  podem ser sintetizados ao redor dos seguintes núcleos: o desenvolvimento pessoal do voluntário; a promoção de um serviço no estilo do Sistema Preventivo; a proposta de experiência para viver a solidariedade.

4-AS ÁREAS DE FORMAÇÃO.

Em geral, os projetos formativos são articulados conforme quatro áreas específicas ( quem sou - o que faço – como o faço – onde o faço) que têm em vista fornecer conhecimentos para aprofundar a identidade e as motivações do voluntario hoje, meios para compreender a realidade social, competências para intervir corretamente nas situações de marginalização.

 A interculturalidade e a globalização constituem o pano de fundo no qual são colocados todos os demais temas. 

1.Voluntariado

Nesta área são aprofundados conteúdos que se referem ao significado das mudanças históricas, os valores, as atividades dos voluntários, a formação ética e política.

2.Desenvolvimento

Os conteúdos desta área focalizam o desenvolvimento humano em relação às teorias do desenvolvimento sustentável, à cooperação e à educação.

O comércio equo-solidário e o banco do tempo são outros assuntos de estudo que querem focalizar em modo específico a relação entre economia solidária e desenvolvimento sustentável.

3.Pobreza/marginalização

Os temas formativos escolhidos se referem às formas de pobreza no próprio território, nos diferentes países do mundo e a análise das causas e dos mecanismos que geram a pobreza.

A atenção é orientada sobre algumas categorias de pessoas fortemente marginalizadas: mulheres, crianças de rua e imigrantes

4.Comunidade e grupo

O Vides ajuda seus membros para aprofundar o valor formativo do grupo e da comunidade; introduz os jovens voluntários nas lógicas dos  projetos promovidos pelas comunidades locais das Filhas de Maria Auxiliadora. São oferecidos ainda conteúdos relativos às dinâmicas relacionais e de grupo, à gestão das responsabilidades e ao sentido de pertença.

5.Competências

Nesta área formativa tratam-se as competências gerais e específicas. Entre as primeiras, em modo particular, são promovidas as capacidades relacionais na ótica do método salesiano e as competências projetuais (programação, avaliação, flexibilidade, adaptação).  

6.Lugar

Última área formativa, porém não menos importante, é a que ajuda os voluntários a conhecer a situação geográfica, histórica, ambiental, social, econômica, humana, os usos e costumes do lugar, a presença do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora naquele contexto  e o projeto no qual será inserido o voluntário.

5-ÍCONES BÍBLICOS

-“Naqueles dias Maria se pôs a caminho apressadamente pelas montanhas à uma cidade de Judá. Entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel....Maria permaneceu com ela cerca de tres meses, depois retornou à casa ( Lc 1, 39-56)

-Pai Nosso ( Mt 6,7-15)

-Eu tive fome  e me destes de comer, eu tive sede e me deste de beber.....( Mt 25,34-56)

-A caridade é paciente, é benigna...Tudo crê, tudo espera...a caridade não terá fim. ( 1Cor 13, 1-13)

-Está aqui um jovem que tem cinco mãos e dois peixes;mas o que é isto para tanta gente? ( Jo 6,1-15).

Outros ícones podem servir de referência.  Cada grupo tem liberdade de escolher o ícone bíblico que melhor inspira o próprio compromisso.

6-OBJETIVOS 

Fundamentalmente o VIDES se propõe tres grandess objetivos:

1.Oferecer aos jovens a experiência de voluntariado, dando-lhes espaços de protagonismo que os levam a ser pessoas livres e responsáveis, empenhadas, com os outros, na promoção dos Direitos Humanos  e na construção de uma cultura da solidariedade, da justiça e da paz.

2.Construir pontes de solidariedade e de troca cultural, atravez do sustento à distância e microprojetos de desenvolvimento,  em vista de uma sociedade humanizada.

3.Participar ativamente nos fóruns internacionais das Nações Unidas para defender a dignidade das pessoas e promover especialmente p direito à educação.

O VIDES crê firmemente nas energias positivas dos jovens, facilita-lhes o protagonismo e seu crescimento humano, os encoraja a oferecer na simplicidade o próprio dom para que  “os dois pães e os dois peixes” que cada um pode colocar à disposição, possam ser multiplicado pelo amor misericordioso de Deus que se alegra com a vida de cada uma de suas criaturas.

Fontes: - Orientações para a Formação dos Voluntários – Documento VIDES Internacional

-A Formação dos Voluntários no VIDES, texto – Sr.Maria Grazia Caputo

Fonte: Redação

  Eventos - Novembro

Nenhum registro encontrado!

Ver todos eventosver todos eventos